na floresta/nakau

A valorização do cacau nativo da Amazônia e o envolvimento de comunidades ribeirinhas agroextrativistas na cadeia produtiva do chocolate são pontos fortes da Na Floresta, empresa de impacto socioambiental cujo produto principal – o chocolate Na’kau – já é bastante conhecido.

A empresa foi criada em 2013 pelo biólogo Artur Coimbra com o espírito de conservar a floresta e levar sustentabilidade econômica para seus povos por meio do fornecimento de alimentos éticos e íntegros. O principal produto é o chocolate, que começou a ser produzido em 2017.

Além das barras com variação no percentual de cacau, destaca-se também a produção de nibs de cacau cru e a linha Parcerias Sustentáveis, que mistura o chocolate a ingredientes genuinamente amazônicos, como café agroflorestal, pimenta Baniwa, castanha e cupuaçu.

Os produtores acionados pela empresa estão localizados nos rios Madeira e Amazonas, em 6 municípios. São impactadas diretamente oito famílias – que fornecem matéria prima e recebem apoio técnicos para a produção – e, indiretamente, outros 24 produtores, que estabelecem algum tipo de relação com a cadeia produtiva da empresa. Segundo dados da Na Floresta, o faturamento das famílias aumentou em cerca de 120% em relação à renda do cacau.

Leandro Oliveira, sócio de Artur, é filho de extrativista. Natural de Lábrea, no Amazonas, conhece de perto a realidade dos ribeirinhos: “Meu pai foi extrativista a vida toda, de castanha, borracha, e também produzia farinha de mandioca. Quando ele faleceu, deixei o campo e fui para a cidade. Nós trabalhávamos de modo sustentável, e quando íamos vender a castanha, o preço que saía para o consumidor final era mil vezes o valor que vendíamos para o revendedor. E a gente tem esse diferencial, de valorizar o produtor, o trabalho dessas pessoas”, avalia.

Essa valorização é visível nas embalagens do chocolate, que trazem as etapas do processo de preparação desde a colheita e os rostos e nomes dos extrativistas fornecedores do cacau. É possível percorrer o caminho e as pessoas envolvidas até chegar na saborosa barrinha.

A produção é comercializada em feiras e eventos, empórios de produtos naturais, supermercados de produtos gourmet e pontos de vendas em locais turísticos. Os chocolates já estão presentes em nove estados brasileiros e também nos EUA, em Portugal, Suíça, Alemanha e Japão.

Para o futuro, a empresa planeja ampliar os pontos de venda e diversificar o portfólio de produtos. 

RAIO-X

TECNOLOGIAS VERDES

CIDADE / ESTADO

MANAUS - AM

DATA DE FUNDAÇÃO

MARÇO DE 2013

NATUREZA NEGÓCIO

EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (EIRELI)

MODELO

B2B, B2C E B2B2C

TAMANHO EQUIPE

8 COLABORADORES

PATENTE

NÃO

FASE DO NEGÓCIO

TRAÇÃO

SOBRE A EMPRESA

Processa industrialmente e comercializa chocolates genuinamente amazônicos de diversos sabores.

O QUE RESOLVE

Proporciona renda e mais qualidade de vida para famílias ribeirinhas e conserva a floresta.

IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS POSITIVOS

Mais de 3 mil hectares de floresta conservados diretamente e aumento da renda das famílias envolvidas. Os produtores estão localizados nos rios Madeira e Amazonas.

ODS

OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

ERRADICAR A FOME

AÇÃO CLIMÁTICA

INDÚSTRIA, INOVAÇÃO E INFRAESTRUTURA

CONSUMO E PRODUÇÃO RESPONSÁVEIS

PRODUTO/MERCADO
Os chocolates são comercializados em 14 estados brasileiros, 5 países e 200 pontos de vendas.

RESULTADOS
600 quilos/safra de cacau fornecidos por cada uma das oito famílias e R$7.800,00 de faturamento bruto médio por família beneficiada diretamente.

IMPACTO

SINALIZA O PROPÓSITO DO IMPACTO?

ACOMPANHA O IMPACTO?

FOI ACELERADO?

FOI INVESTIDO?

FUNDADORES

ARTUR COIMBRA

CONTATO